3 Capacidades que um Viajante Deve Ter

Se você gostaria de ser um viajante, você pode aprender história e geografia, focando-se no que é semelhante e no que é diferente neste planeta estranho e bonito, pode aprender fotografia ou videografia e encontrar uma forma de documentar as suas memórias para outros desfrutarem, assim como, aprender línguas, numa tentativa de agradar a si mesmo e mostrar respeito pela cultura em que você “caiu” como outsider.

viajante e mochileiro

Todas essas coisas são atividades úteis e até mesmo necessárias. Mas, para quem aspira a ser um explorador global bem sucedido, é preciso mais. Aqui estão 3 capacidades fundamentais que o podem ajudar ainda mais.

1. Aprender a aceitar que nem todo o mundo tem a mesma lógica que você

Pode supor que a lógica é universal, uma vez que é supostamente baseada em fatos em vez de opiniões. Mas está errado, como os viajantes inevitavelmente descobrem. Quanto mais cedo aprender que a lógica está inseparavelmente ligada à cultura e contexto, mais fáceis serão as suas viagens.

Em alguns países, as pessoas vão lhe dar as direções erradas para um lugar, em vez de lhe dizerem que não sabem como chegar lá. Será que isto faz sentido? Para mim, não. Se eu não sei como ajudar alguém, é isso que eu vou dizer. Mas nem todo mundo pensa como eu, e em algumas culturas, é embaraçoso dizer que você não pode ajudar alguém, então é melhor dar a resposta errada do que nenhuma.

Falando de ajuda, em alguns casos, as pessoas vão-se oferecer para o ajudar, porque querem algo de você, outras vezes as pessoas deixam de fazer a vida delas só para o ajudar recusando qualquer recompensa.

Como pode aprender a interpretar diferentes situações e relacioná-las com o que é verdade para si? Bem, a experiência é o melhor professor. Mas primeiro você tem que entender que a lógica é quase científica.

2. Aprender a esperar

A vida de um viajante é uma aventura atrasada. Você deve aceitar que haverá muitas oportunidades para as quais você terá de se apressar e de esperar por outras. Você vai esperar durante longos e incertos períodos de tempo em paragens de autocarros, estações de comboios, aeroportos, terminais, e muito mais. Se no início você não for bom a esperar, não se preocupe, o tempo vai tratar disso. Na verdade, quanto mais você se arriscar por destinos desconhecidos, mais o tempo de espera aumenta.

A fila é um companheiro fiel do viajante, que aparece quando você está tentando deixar algum lugar (fila de segurança) e tentando chegar a algum lugar (imigração e alfândega).

Se você vive a sua vida a acreditar que o “tempo é dinheiro”, viajar não é para você. Você pode tentar matar algum do seu tempo de espera, com livros e gadgets, mas mesmo assim tem que aceitar que muito do seu tempo será gasto a esperar. Para evitar isso, só há uma forma, não viaje.

3. Aprender a reformular as suas experiências num contexto maior

Você sabe porque está a viajar? Está a viajar para encontrar alguma coisa? Para perder alguma coisa? Para ficar sozinho? Para ajudar pessoas ou causas?

Todas essas e outras razões são perfeitamente aceitáveis. Mas, sem um senso de propósito, você pode ficar frustrado. Nem tudo nas viagens é fabuloso, de fato, algumas coisas são francamente desagradáveis. Mas, se é viajante que você está destinado a ser, tem que aprender a reformular e contextualizar as suas experiências. Aprenda a esperar, lembrando que nem todas as pessoas tem a mesma visão do mundo que você tem, e coloque tudo em perspetiva.

De acordo?

Deixe uma resposta

Fechar Menu